Polícia diz que cruzeirense morreu por choque elétrico no Mineirão

A Polícia Civil disse que a causa da morte de um torcedor no Mineirão, no último dia 27 de outubro, foi choque elétrico em uma tomada durante embate com seguranças. Apesar da briga, o delegado Luiz Otávio Mattosinhos disse que não houve crime, já que a morte foi causada por acontecimentos “que fogem do controle da vontade humana”. O resultado da investigação foi divulgado nesta quinta-feira (24), em Belo Horizonte.

Eros Dátilo Belizardo, de 37 anos, se envolveu em uma confusão com seguranças que prestavam serviço para a Minas Arena, administradora do estádio, durante o jogo entre Cruzeiro e Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro. Ele chegou a ser socorrido no Mineirão e levado para o hospital de Pronto-Socorro Odilon Behrens, mas não resistiu.

O delegado explicou que Eros assistia ao jogo ao lado de uma amiga em um setor do Mineirão. Em dado momento, ele quis passar a outro setor, mas não conseguiu porque havia uma grade para impedir, justamente, a passagem de torcedores. Em uma segunda tentativa, ele passou por uma fresta, mas o segurança do local tentou impedir.

Segundo o delegado, os dois entraram em luta. Durante a briga, os dois bateram contra a porta de um depósito, que estava trancada. Eles entraram na sala ainda em luta, quando esbarraram em uma lanterna que estava sendo carregada com o uso de um adaptador de tomadas, conhecido com “benjamim”. A lanterna caiu e o acessório foi quebrado, deixando o circuito elétrico interno exposto. A tomada onde estava o benjamim tem tensão de 220 volts, que causou a morte de Eros quando ele encostou as costas.

eros

Eros Dátilo Belizardo, torcedor do Cruzeiro que morreu no Mineirão mês passado (Foto: Reprodução /TV Globo Minas)

“Eu não diria fatalidade e sim um caso fortuito. Esse é o nome técnico. Realmente acontecimentos imprevisíveis, inevitáveis, que fogem do controle da vontade humana”, disse o delegado Luiz Otávio Mattosinhos.

Segundo Mattosinhos, o inquérito ainda não foi concluído porque faltam anexar dois laudos e colher depoimentos de pessoas. Mas o delegado adiantou que ninguém será indiciado. A Minas Arena também não será responsabilizada, já que o depósito estava trancado e a voltagem da tomada é permitida.

– O rapaz pegou ele, o segurança, deu nele um mata leão e já foi levando ele, abriu a porta de um quartinho e foi levando ele para dentro. Nisso, ele foi asfixiando, tampando a boca dele. Nisso, ele esmoreceu e caiu no chão. Eles voltaram com ele e colocaram ele no chão e pediram socorro”, contou a cuidadora de idosos Alessandra Luciana de Abreu.

– A gente quer justiça, a gente quer as imagens, é o nosso direito, é o direito do torcedor porque a gente paga o ingresso. A gente está no estádio e não vai aceitar perder um amigo assim”, disse o autônomo Felipe Luís Santos de Oliveira.

Durante a madrugada, integrantes de torcidas organizadas do Cruzeiro invadiram o estacionamento do Mineirão, onde seguranças estariam prestando depoimento. Policiais do Batalhão de Choque chegaram em seguida e dispensaram os torcedores com bombas de efeito moral.

No dia seguinte à nota, a Minas Arena lamentou a morte do torcedor e informou que “tem total interesse no esclarecimento do assunto de forma séria e verdadeira, acompanha de perto e aguarda a apuração dos fatos pelas autoridades competentes”.

Também em nota, a diretora do Cruzeiro informou que viu com grande tristeza a notícia sobre a morte do torcedor e que está acompanhando de perto os esclarecimentos do fato para que toda a sociedade possa ser informada sobre os motivos que levaram o torcedor a morte. O clube também se solidarizou com a família do torcedor.

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte disse por meio de nota que o paciente deu entrada no Hospital Odilon Behrens às 23h07, e que ele chegou em uma ambulância particular que atende no Mineirão. O órgão informou que o paciente chegou já sem vida – apresentando múltiplos traumas – e que a morte foi oficialmente declarada às 23h16.

A Prosegur, empresa responsável pelos seguranças, disse em nota que lamentava o ocorrido e que está colaborando com a polícia na investigação.

Fonte: Globoesporte.com