Pelas oitavas de final da Copa do Brasil, Cruzeiro derrota Chapecoense com belo gol de Raniel

Com a cabeça em outras competições, Cruzeiro e Chapecoense iniciaram o primeiro de dois duelos válidos pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Neste primeiro encontro, o futebol apresentado por ambos os times não foi lá dos melhores, mas o gol de Raniel, logo aos dois minutos, garantiu a vitória celeste por 1 a 0 no Mineirão.

Com o resultado, o Cruzeiro larga na frente por uma vaga nas quartas de final. Daqui a um mês, no dia 1º de junho, as equipes farão o duelo de volta na Arena Condá.

Já no próximo domingo, mineiros e catarinenses voltam suas atenções para as decisões do estadual. O Cruzeiro visita o Atlético-MG após o empate sem gols na primeira partida, enquanto a Chape recebe o Avaí depois de uma vitória por 1 a 0. Três dias depois, os comandados de Vagner Mancini decidem a taça da Recopa Sul-Americana contra o Atlético Nacional e precisam de apenas um empate para ficar com o título.

Assista ao golaço de Raniel no vídeo abaixo:

Garoto de 20 anos dá as cartas com golaço relâmpago

O jovem Raniel não sentiu o peso de substituir Sóbis e Ábila no ataque do Cruzeiro, e deu um ótimo cartão de visita. Com dois minutos de jogo, o atacante abriu o placar com um chutaço de fora da área de colocar inveja em muito veterano. Este foi o primeiro gol do jogador em cinco partidas pelo Cruzeiro, a terceira como titular.

Inferior tecnicamente, Chape equilibra e mostra mais apetite

O preço pago por começar a partida dando muita liberdade para o Cruzeiro foi sofrer o gol já na segunda volta do ponteiro. Somente após os dez minutos, a Chape começou a digerir o mau início e equilibrou o jogo. O lado direito com Apodi e Niltinho foi muito acionado, mas o fator coletivo não funcionou na hora do último passe. Mesmo com a base do time reserva, os catarinenses continuaram em cima durante todo o segundo tempo.

Cruzeiro se acomoda e transforma início elétrico em jogo sonolento

Os primeiros minutos deram a pinta que o mistão do Cruzeiro poderia aproveitar a equipe reserva da Chapecoense e o gol relâmpago para construir uma boa vantagem. Mas o que se viu a seguir foi um time sem criação, sonolento e que mal chutou ao gol. Apesar da qualidade dos atletas, foi para o intervalo em baixa e passou a maior parte da etapa final ineficiente e ainda mais devagar, o que deixou o jogo perigoso o fim.

Efeito decisão: treinadores preservam principais atletas

A final contra o Atlético-MG influenciou na escolha dos onze jogadores iniciais de Mano Menezes. O treinador poupou nada menos que cinco atletas: Mayke, Léo, Hudson, Rafinha e Rafael Sóbis. Com duas finais pela frente, Vagner Mancini não pensou diferente. O único titular que começou a partida foi Girotto, que está suspenso para o jogo da volta contra o Avaí.

Fonte: UOL