Cruzeiro aceita condições e deve acertar transferência de Ábila para o Boca Juniors

Pouco mais de um ano depois de deixar a Argentina e se aventurar no futebol brasileiro, o atacante Ramón “Wanchope” Ábila voltará para casa e defenderá o maior clube do país. Cruzeiro e Boca Juniors finalmente chegaram a um entendimento e acertaram verbalmente a transferência do jogador de 27 anos. O Superesportes confirmou a informação divulgada pelo canal argentino TyC Sports nesta terça-feira.

Para abrir mão de Ábila, o Cruzeiro receberá por empréstimo o meia Alexis Messidoro, de 20 anos – terá os direitos econômicos fixados ao término do contrato de um ano (até julho de 2018) –, e se livrará da dívida de US$ 1,5 milhão (R$ 4,6 milhões) com o Huracán – o Boca assumirá esse débito, podendo, inclusive, ceder atletas ao Globo como parte do negócio (o atacante Nazareno Solís chegou a ser especulado, porém seu destino deve ser o Independiente). Além disso, o clube celeste ficará com parte do “passe” do camisa 9 para lucrar em uma eventual venda futura.

Ramón Ábila nunca escondeu de pessoas próximas o sonho de defender o Boca Juniors. Embora torcedor do Instituto de Córdoba, clube que o revelou para o futebol, Wanchope é admirador do clube xeneize. Tanto que virou amigo de Carlitos Tévez, revelado na agremiação azul y oro. Fãs do gênero musical cuarteto – e do cantor La Mona Jiménez –, os dois são agenciados pelo empresário Adrián Ruocco. Na Argentina, especula-se que a ida de Ábila para o Boca poderia até mesmo facilitar um eventual retorno de Tévez, que joga atualmente pelo Shanghai Shenhua, da China, e recebe salário astronômico de R$ 129 milhões anuais (tem contrato até o fim de 2018).

Apesar de ser xodó da torcida cruzeirense, Ábila não tinha tanto prestígio com o técnico Mano Menezes, que até elogiava seu potencial como referência dentro da área, porém chamava a atenção para a falta de mobilidade. Em diversas coletivas, o treinador ressaltou que o atleta só renderia o esperado se os meias fizessem a bola chegar aos seus pés. Nos últimos compromissos do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro, o argentino foi terceira opção, atrás do titular Rafael Sobis e do reserva imediato Sassá.

Durante menos de 13 meses, Ábila disputou 61 partidas pelo Cruzeiro e marcou 26 gols, sendo o sétimo maior artilheiro estrangeiro da história do clube. A pouca habilidade para participar de lances plásticos, como dribles e condução de bola, foi compensada com muito esforço e dedicação. Um de seus gols mais bonitos pela Raposa foi marcado na derrota por 2 a 1 para o Atlético, pelo jogo de volta da final do Campeonato Mineiro, no dia 7 de maio. Ao receber cruzamento de Rafinha, Ábila ajeitou a redonda no peito e virou um bonito voleio, acertando o canto direito de Victor.

O curioso é que Ábila lidará no Boca com cenário semelhante ao enfrentado no Cruzeiro. O técnico Guillermo Barros Schelotto não solicitou à diretoria a contratação de Wanchope e tem como preferido Darío Benedetto, cuja média de gols na temporada 2016/2017 impressionou: 21 tentos em 25 apresentações (0,84 por partida). Conforme informações da imprensa argentina, Ábila será aposta pessoal do presidente Daniel Angelici.

Messidoro

Contrapeso na saída de Ábila, Alexis Messidoro fez apenas cinco jogos pelo time principal do Boca Juniors, todos na temporada 2016, e balançou a rede uma vez. Considerado um atleta de potencial, o jovem foi emprestado ao Sport Boys Warnes, da Bolívia. Na Copa Libertadores, Messidoro marcou dois gols em seis jogos – um no empate por 3 a 3 com o Libertad, em casa, e outro na derrota por 5 a 2 para o Atlético, no Independência.

Números de Ramón Ábila pelo Cruzeiro:

Por competição:
  • Campeonato Brasileiro: 31 jogos e 10 gols
  • Campeonato Mineiro: 13 jogos e 6 gols
  • Copa do Brasil: 12 jogos e 6 gols
  • Copa Sul-Americana: 2 jogos e 1 gol
  • Primeira Liga: 2 jogos e 2 gols
  • Amistoso: 1 jogo e 1 gol
Por ano

  • 2016: 28 jogos e 12 gols
  • 2017: 33 jogos e 14 gols

Fonte: Super Esportes