No embalo das sarradas: eficiente contra Fla e Flu, Sassá ganha confiança do grupo

Em pouco menos de um mês, Sassá deixou as polêmicas em segundo plano, vestiu a camisa do Cruzeiro e conquistou o grupo. Sete jogos com Mano Menezes, a primeira titularidade contra o Fluminense e gol decisivo no empate em 1 a 1 no Giulite Coutinho. Aos poucos, as sarradas, estilo marcante nas comemorações do atacante, vão começando a fazer parte da rotina do time mineiro.

O jogador estreou no dia 22 de junho. Foram 29 minutos em campo na derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli. Desde então, poucos minutos nos quatro jogos seguintes. Contra o Flamengo, no Mineirão, o primeiro gol logo ao entrar na partida. A boa sequência, comprovada com mais uma bola na rede diante do Fluminense, enche o atacante de esperança por um futuro positivo no Cruzeiro.

– O importante é sempre somar pontos. Infelizmente a gente não conseguiu a vitória, mas o empate está de bom tamanho. Quero jogar, estar ajudando. Ser feliz no Cruzeiro. Acho que ainda não estou 100% no que tenho de melhor, mas quero ajudar. Vim para brigar por vaga, para ser titular.

Foi diante do Tricolor, talvez, a primeira partida que Sassá teve tempo de mostrar seu repertório. Incomodou a defesa adversária, apostou na movimentação e abusou da velocidade, característica marcante desde os tempos de Botafogo. O gol acabou dividido com Thiago Neves, que deixou a bola limpa para o companheiro e aproveitou para brincar e agradecer ao atacante.

– Ele (Sassá) agradeceu a assistência (risos). Está merecendo isso, vem nos ajudando, treinando bem. Entrou no jogo contra o Flamengo e empatou para a gente. Hoje também. Esse moleque tem muita coisa pela frente no Cruzeiro. A gente espera que ele dê mais sarradas ainda.

Se depender da expectativa de Mano Menezes, é só o início da história de Sassá no clube mineiro. Ciente do bom futebol do atacante, que enfrentou o Cruzeiro no Brasileiro vestindo a camisa do Botafogo, o treinador preocupa com a parte psicológica do jogador de 23 anos.

– Precisava de jogador com essa característica, que segurasse bola na frente, mas que tivesse velocidade para trabalhar no ataque. Vem fazendo bons jogos, mas precisa evoluir. Questão comportamental sempre é a longo prazo, jogador entender seu significado, a importância do lugar que ele está, a grandeza do lugar. Temos conversando com ele sobre isso. São os primeiros passos de uma relação. Espero que ele continue aproveitando muito essa oportunidade que o Cruzeiro deu. Esse é o segundo momento, você surge, começa a fazer gols importantes e depois começa a ser exigido. É a hora mais complexa.

Com Sassá à disposição de Mano, o Cruzeiro enfrenta o Avaí neste domingo, às 16h (de Brasília), na Ressacada, em Florianópolis. A equipe ocupa a 8ª posição na tabela de classificação, com 22 pontos.

Fonte: Globo Esporte