STJD mantém suspensão de Victor Ramos e Reinaldo; Chape é multada em R$ 15 mil

Na manhã desta quinta-feira, no Rio de Janeiro, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julgou os recursos de Chapecoense e Cruzeiro, pertinentes à confusão entre os dois clubes na partida válida pela Copa do Brasil, e manteve a pena de todos os envolvidos. Além disso, condenou a equipe catarinense a pagar multa de R$ 15 mil por não prevenir e reprimir desordens em praça desportiva.

Reinaldo cumprirá dois jogos de suspensão, e Victor Ramos um, por confusão no jogo que aconteceu na Arena Condá. O gancho, apesar de ser aplicado na Copa do Brasil, se estende para o Campeonato Brasileiro. O técnico Mano Menezes, da Raposa, foi advertido por postura no jogo, e Diogo Barbosa, absolvido.

Após a sentença do primeiro julgamento, a Chapecoense entrou com efeito suspensivo, recorreu da decisão e prolongou o caso de Reinaldo e Victor Ramos. No entanto, a pena de ambos foi mantida, e os atletas enquadrados por desrespeito à arbitragem, conforme artigo 258 do CBJD. A dupla está liberada para enfrentar o Sport na noite desta quinta, pelo Brasileirão. A punição passa a valer a partir da próxima rodada, no fim de semana.

ENTENDA O CASO:
No dia 1º de julho, após o apito final, jogadores e comissão técnica da Chapecoense se dirigiram até ao quarteto de arbitragem, comandado por Péricles Bassols, e reclamaram bastante. Um dos auxiliares foi acertado próximo ao olho por um objeto lançado da arquibancada e ficou sangrando.

No vestiário, as delegações dos dois times se envolveram em um empurra-empurra. O técnico Vagner Mancini acusou o lateral cruzeirense Diogo Barbosa de tentar acertar seus jogadores com uma garrafa d’água.